Carreira na nutrição materno infantil: será que vale a pena?

A carreira na nutrição materno infantil é uma das opções para quem escolhe a área da saúde. Felizmente, vejo cada vez mais profissionais interessados em fazer sua especialização nessa área.

Como sou fundadora e coordenadora de uma pós-graduação em Nutrição Materno Infantil na FAPES, é comum receber dúvidas sobre essa carreira. Continue até o final para saber tudo sobre o assunto.

Como eu comecei?

Tudo o que acredito e a maneira como trabalho estão relacionados ao meu contexto profissional. Antes de cursar nutrição, eu já trabalhava com gestantes e crianças na enfermagem. Por isso, enxerguei na melhora da alimentação uma oportunidade de melhorar a saúde das novas gerações.

Mas, a maioria dos profissionais do meu curso não pensavam assim…

Eu ouvia muito que não seria possível manter um consultório tão focado no nicho da nutrição materno infantil.

Acreditava ser uma falta de visão, afinal, cuidar da alimentação da gestante e da criança evita muitos problemas de saúde futuros. Mesmo assim, eu ouvia que não era possível manter um consultório atendendo apenas gestantes e bebês.

Na época, eu já era enfermeira com bastante experiência na área de atendimento materno-infantil. Por isso, via como uma possibilidade de crescimento profissional e realização pessoal.

Além de cumprir a minha missão, era também uma necessidade de mercado.

O que é preciso para seguir nessa área?

Em primeiro lugar, precisa amar trabalhar com crianças. Os nossos pequenos pacientes precisam de toda a atenção e cuidado do nutricionista materno-infantil.

O profissional que gosta desse trabalho deve procurar uma especialização na área. Nesse ponto, eu preciso falar da FAPES. Sou coordenadora da pós-graduação em Nutrição Materno-Infantil na Prática Clínica e Ortomolecular, que já chega em sua sexta turma.

É com muita alegria que vejo cada vez mais profissionais procurando a nutrição materno-infantil com o desejo de, juntos, fazer a diferença nessa geração.

Conforme o Ministério da Saúde, uma em cada três crianças entre 5 e 9 anos está acima do peso. Dessas, pelo menos 80% serão adultos obesos, de acordo com a estimativa.

Esses dados são muito tristes, mas sinalizam o tamanho da importância e da responsabilidade do nutricionista materno-infantil diante da saúde da população.

Você pode acessar informações sobre a pós-graduação da FAPES neste link.

Para facilitar a formação desses profissionais, que estão espalhados por todos os cantos do país e precisam de orientação, estou elaborando um curso on-line onde vou explicar toda a prática clínica da nutrição materno-infantil. Aguarde por mais novidades!

Para saber mais, assista ao vídeo abaixo e aproveite para se inscrever em meu canal do YouTube.