Sobre maternidade: quem é que cuida da mãe?

Sobre maternidade: quem é que cuida da mãe?

Uma coisa é certa: quando amamos a nós mesmas, amamos todos a nossa volta por consequência. Por que, me pergunto, sendo mãe, as coisas seriam diferentes?

Algo que atinge muitas mulheres antes da maternidade é o famoso medo de perder a própria individualidade. Se você é mãe, acredito que já tenha sentido algo parecido.

O fato é que quando ocorre a maternidade mergulhamos tão profundamente em todas as transformações internas e externas que esquecemos da protagonista de toda essa novela: nós mesmas.

Se você já é mãe, relembre os primeiros dias: a casa com visitas, o bebê angelical, as pessoas perguntando, você cansada. “Tudo bem, é assim mesmo”, afirma para todos enquanto sente ambivalentes sentimentos de cansaço e amor profundo.

E existem coisas que mães nunca dizem, não é mesmo? Leia aqui algumas: 10 coisas que sua mãe nunca te contou

Finalmente, ficamos totalmente submersas na nova realidade de ser mãe. Todas as novidades que envolvem a maternidade também nos envolvem de uma maneira que esquecemos um pouco quem somos.

Até nos questionamos se ainda existe aquela mulher que éramos antes da maternidade… mas sabemos que ela não existe mais.

Diante de um amor tão arrasador, somos capazes de abdicar de qualquer coisa para o bem estar do nosso pequeno. Sentimos que todas as dificuldades e noites mal dormidas valem o sacrifício de ver nossa cria crescendo linda e forte.

Toda essa servidão à serviço do amor é praticamente automática. Na hora nem lembrados das angústias, como a perda de individualidade que citei anteriormente.

Porém, quero trazer uma reflexão justamente a respeito desse pequeno detalhe:

Encarar a maternidade como um caminho de renúncias constantes não é uma escolha inteligente

Ser mãe é para a vida toda. Por isso, nosso bem estar não pode ser esquecido nessa enxurrada de novidades que a maternidade traz, pois isso pode influenciar negativamente todo o resto da vida.

O envolvimento total que um bebê recém nascido necessita certamente tira qualquer pessoa de órbita. Faz qualquer mulher esquecer todas suas vontades.

A maternidade transforma tudo, a rotina e nós mesmas. Por esse motivo, é essencial redescobrir-se! Com o passar dos meses, procure reinventar todos os elementos que fazem de você a mulher que é e ama ser.

É essencial encontrar o equilíbrio entre a doação para o filho e o resgate de si mesma. Sem esse equilíbrio, a consequência natural será uma mulher sobrecarregada, exausta e desmotivada, quando não surgem problemas maiores, como a depressão pós parto.

Segundo um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) feita no ano passado, uma a cada quatro mulheres sofrem depressão pós parto. Esse transtorno é multifatorial, pode ser desencadeado por muitas situações, inclusive a que citei anteriormente: esquecimento de si mesma.

Então, se eu pudesse dar um conselho para todas as mulheres que serão mães, com certeza é esse: não esqueça de você mesma!

Muito mais bonito que ser exemplo de entrega total para os filhos, é ser exemplo de felicidade

Lembre disso: seu filho crescer lembrando que teve pais muito dedicados e entregues é ótimo. Porém, crescer reconhecendo que seus pais, além de dedicados, são adultos felizes e realizados, é simplesmente inspirador.

Para isso, separei alguns pontos que são simples, mas que o turbilhão de emoções da maternidade nos fazem esquecer:

  • Não se cobre tanto. A cobrança e as dúvidas a respeito de como estamos cuidando nossos pequenos é normal, mas acredite: você está fazendo seu melhor dentro do que é possível e seu bebê sente todo o amor do mundo envolvido nesse processo.

 

  • Não existe mulher-maravilha. Você é uma mulher de carne e osso, com sentimentos, potenciais e limitações. O que existe em você é uma mulher que precisa de ajuda, precisa trabalhar, ser mãe, ser esposa, ser amante e ser você mesma, acima de tudo. Deixe de lado a culpa e a onipotência exagerada.

 

  • Ignorar a necessidade de cuidar de você mesma impossibilitará a realização plena do que você quer em primeiro lugar, que é cuidar dos seus filhos com energia, carinho e disposição.

 

  • Se está na fase de visitas ao recém nascido e você está muito cansada, regule as idas de parentes e amigos! Reconheça seus limites e que você precisa de tanto repouso quanto o bebê.

 

  • Quando o bebê dorme, é hora de olhar para si mesma, não de encarar a dona de casa e colocar a casa em ordem. Converse com seu parceiro, parceira ou filhos mais velhos e divida as tarefas de forma que você não fique sobrecarregada.

 

  • Exija de você mesma que hajam momentos de relaxamento e cuidados de saúde e beleza. Isso não é sobre vaidade, mas sim sobre amor próprio. Esqueça a vida em um banho quente, faça as unhas, medite, enfim, escolha atividades que resgatem em você o amor que sente por si mesma e pela vida.

Nunca perca de vista seu bem estar!

A saúde mental da mulher é extremamente importante para o desempenho de todos os papéis que somos incumbidas de realizar. Ser mãe, mulher, amante, amiga e trabalhadora exige muito de você e é necessário reconhecer as limitações. Nada disso é frescura. 

As crianças crescem, a rotina se ajusta. Tudo vai se transformar. Por isso, você também não pode ficar parada. 

Agora que você viu seu filho nascer, pode se preparar para seu novo renascimento. Vai ser um pouco diferente do que você imaginava, mas tenho certeza que terá tudo a ver com você!

Esse é um assunto muito delicado e precioso! Espero, de coração, poder ter ajudado em alguma questão!

 

Andreia Friques

Fechar Menu