Quanto açúcar escondido seu filho come?

Quanto açúcar escondido seu filho come?

Você sabia que a alimentação de todos nós conta com muito açúcar escondido? Mesmo alimentos que consideramos salgados trazem os prejudiciais açúcares: eles estão presentes em cerca de 80% dos alimentos industrializados.

Em especial o xarope de frutose, também chamado xarope de milho de alta frutose, faz uma tempestade no metabolismo de qualquer um. Seu filho, ao consumir tais alimentos, está exposto aos efeitos negativos dessa substância. Esses impactos nada positivos são unanimidade entre os estudiosos da ciência da alimentação.

Por isso, se você acredita que o açúcar está presente apenas no açúcar branco adicionado aos bolos, às sobremesas e ao café, está enganado! Todo alimento industrializado conta com grande quantidade de açúcar escondido.

Leia também: O que o bebê não pode comer até um ano?

Os problemas do açúcar escondido

Em um cotidiano atribulado, é comum enchermos as lancheiras das crianças com bolachas, salgadinhos e outros itens que vem muito bem embalados. Não só as lancheiras, mas também os momentos em que estão em casa e precisam lanchar entre o almoço e a janta, que são as refeições principais.

Eu sempre digo que não existe como criar seu filho em uma bolha. Sim, ele vai comer alimentos açucarados e industrializados em algum momento. A questão aqui é o excesso desses itens na alimentação dos pequenos. Quando percebemos a presença do açúcar escondido nesses alimentos, passamos a refletir sobre o que oferecemos e também sobre o que consumimos, pois sempre somos o exemplo.

Você já se perguntou quanto de açúcar existe em uma lata de refrigerante?

Não sabe a resposta? No mínimo, sete colheres de açúcar. Quando a criança consome apenas uma lata de refrigerante, já excede a quantidade de açúcar diário recomendada pela Organização Mundial da Saúde. Para o órgão, entre quatro e seis colheres de açúcar, no máximo, podem ser consumidos a cada dia por uma criança.

Estamos falando apenas de uma bebida, deixando de lado biscoitos, leites açucarados, bolos e outros exemplos que acompanham esse refrigerante no cotidiano alimentar do pequeno.

Os efeitos para o organismo

O consumo desenfreado de açúcar traz prejuízos para a saúde de todos. No entanto, para as crianças, a conta é mais alta. Tais excessos ultrapassam as necessidades calóricas do organismo, levando ao acúmulo de gordura. A obesidade é um risco real e, infelizmente, não é o único.

Ao consumir uma grande quantidade de açúcar, todo o corpo inicia um processo de inflamação, com liberação excessiva de insulina. Hipertensão, diabetes e esteatose hepática não são doenças apenas de adultos: seu filho também pode desenvolver.

A grande desvantagem para as crianças é que, ao desenvolver tais doenças durante a infância, as chances de continuar com esses problemas durante a vida toda são bastante altas. Uma criança obesa corre um risco mais alto de ser um adulto obeso do que uma criança com peso normal.

Por outro lado, o que funciona muito bem é ensinar hábitos saudáveis desde cedo. Quando os pais não tem o costume de ingerir alimentos industrializados, as crianças vão entender que só devem fazer parte da alimentação em situações específicas, como datas especiais e festivas.

É por isso que não aconselho oferecer açúcar antes dos dois anos de idade. Dê ao seu filho a oportunidade de conhecer os sabores da comida de verdade e formar hábitos saudáveis! São inúmeras opções a preços acessíveis, além do valor daquilo que é o mais importante: a saúde da criança.

Espero que meu artigo tenha ajudado a alertar para os perigos do açúcar escondido.

Até a próxima!

Com amor.

Andreia Friques

Fechar Menu