Qual é o papel do ferro na gravidez?

Suplementar ferro na gravidez é muito importante para a saúde da mãe e a boa formação do bebê que está por vir.

Apesar de ser o suplemento mais comum e conhecido pelas gestantes, a realidade é que existem desafios ao administrá-lo. Tanto na questão da interpretação dos exames laboratoriais, que exigem um olhar apurado do profissional em relação aos níveis de ferro, quanto em suas reais necessidades.

Continue até o final para entender o papel do ferro na gravidez.

Quanto antes suplementar, melhor

Se a mulher está tentando engravidar, é interessante que inicie a suplementação ainda enquanto tentante.

Além de manter o corpo mais saudável e propício para a fertilidade, também garante que o feto garanta o seu aporte de ferro adequado desde as primeiras semanas da gravidez e tenha uma boa reserva.

Quando a mulher não sabe que está grávida. Evita, também, que desenvolva a deficiência de ferro e evolua para um quadro anêmico.

Por que o ferro é tão importante?

A gestante tem uma alta demanda pelo ferro. Além de suprir as suas próprias necessidades, é preciso garantir para a nova vida que está sendo formada.

Esse é o nutriente necessário para a formação do bebê, das células vermelhas e pelo transporte de oxigênio pelo organismo.

É o que dá suporte ao metabolismo energético e ao sistema imunológico.

Quando o ferro está em baixos níveis, todos esses aspectos são prejudicados.

Sinais da deficiência do ferro

A mulher pode sentir que os níveis de ferro estão baixos quando:

  • Sente-se cansada, 
  • Apresenta palidez na pele;
  • Dificuldade para respirar;
  • Menor disposição e vitalidade.

Todos esses são sintomas de anemia. As consequências vão além dos incômodos. O bebê pode nascer com tamanho menor e com restrição de crescimento.

Também pode trazer complicações no parto prematuro e aumenta as chances de mortalidade perinatal. Essa criança que não recebeu os níveis adequados de ferro na gravidez sofre com esse prejuízo ao longo de sua vida.

Quanto suplementar?

O próprio Ministério da Saúde recomenda a dose mínima de 40mg/dia de ferro durante a gestação e até o final do terceiro mês pós-parto.

No entanto, quando essa mulher procura pelo atendimento de um nutricionista e realiza exames, é comum que seja necessário um aporte maior desse suplemento.

Em primeiro lugar, porque o ferro não é o único nutriente que precisa ser suplementado. Quando outras vitaminas e minerais estão em falta, infelizmente, o ferro não é tão bem absorvido nem realiza todas as suas funções.

Além disso, se a gestante está muito inflamada, o balanço de nutrientes tende a ser ainda mais importante para reverter esse quadro.

Um simples polivitamínico de farmácia pouco auxilia nessa fase, afinal, a gestante precisa de muito mais ferro do que contém nesses suplementos prontos.

Por isso, cabe ao profissional avaliar a gestante em sua totalidade e corrigir as suas deficiências nutricionais.

Alimentação e suplementação

A gestação é uma fase em que a alimentação, por mais saudável que seja, não dá conta de proporcionar todos os nutrientes necessários. Assim, deve ser uma aliada ao equilíbrio homeostático, porém, a suplementação continua fundamental.

Apenas para exemplificar: se a gestante precisa de 40mg de ferro por dia, saiba que essa quantidade seria encontrada em 1kg de bife de fígado. É humanamente impossível esse consumo, pois são doses ainda mais altas requeridas.

Para a grávida, a suplementação costuma variar entre 150 a 200mg diários. Em situações de extrema necessidade, o nutricionista pode procurar o auxílio médico para cogitar a possibilidade de administrar a suplementação intravenosa.

É muito comum que a gestante tenha dificuldade em consumir a dose de ferro adequada via oral, pois causa enjoos ao longo da gestação. 

Portanto, é interessante receitar o ferro aos poucos e, com o tempo, aumentar as doses. Sempre observando o bem-estar da gestante.

Por via oral, dificilmente a suplementação vai ocasionar em excesso de ferro no organismo. Portanto, avalie essa mulher com todo o cuidado.

Eu e o dr. Eric Slywit falamos sobre isso em um vídeo. Para conferir, basta dar um PLAY abaixo:

Aula gratuita sobre interpretação de exames laboratoriais

Entendo que é um grande desafio compreender os exames laboratoriais. Por isso, eu e meu colega Alexandre Aguiar preparamos uma aula exclusiva sobre interpretação de exames laboratoriais.

Para assistir, basta clicar no botão abaixo: