Com quantos meses devemos iniciar a introdução alimentar do bebê?

Muitas mamães têm dúvidas sobre quando iniciar a introdução alimentar do bebê. Você está nesse grupo? Continue a leitura até o final do artigo.

Sabemos que a recomendação da Organização Mundial da Saúde – OMS é de que o bebê seja alimentado exclusivamente com o leite materno até completar o sexto mês de vida.

Mesmo assim, algumas mamães ficam na dúvida sobre a possibilidade de introduzir os primeiros alimentos antes desse prazo.

Algumas, porque precisam retornar ao trabalho e precisam deixar o bebê com a babá, ou mesmo na creche. Outras, simplesmente por ouvirem de outras mulheres da família que a introdução alimentar pode iniciar antes.

Nas próximas linhas, vou deixar a maneira como oriento as mamães em meu consultório e também um estudo que endossa essa prática.

Introdução alimentar a partir dos 6 meses

Algumas mães se perdem na hora de considerar o sexto mês de vida. Então, para simplificar, vamos começar definindo esse tempo.

Quando o bebê completa 6 meses do seu nascimento, é o momento que consideramos ideal para apresentar a ele os primeiros alimentos. Esse período compreende de quando ele completa 6 meses e adentra o sétimo mês de vida.

Na minha prática clínica, eu costumo seguir a recomendação da OMS e orientar a introdução alimentar somente a partir desse período. Essa orientação serve, inclusive, para bebês alimentados com fórmula infantil.

É claro que, para os casos onde o bebê dá sinais de maturidade, o início da introdução alimentar pode ser um pouco adiantado.

Consideramos sinais de maturidade:

  • Ausência do reflexo de extrusão;
  • Se interessa pela comida coordenando movimento de olhos, mãos e boca;
  • Mostra desejo de mastigar;
  • Senta e mantém-se firme na posição;
  • Mantém a sustentação da cabeça sem esforço.

Eu, como nutricionista materno-infantil, nunca recomendo esse início antes do 5º mês completo, quando o bebê está caminhando para o sexto mês de vida. 

Por que respeitar esse tempo?

O período de 6 meses é o tempo que o bebê leva para amadurecer o seu organismo e desenvolver todos os sinais de maturidade que citei acima.

Quando esses sinais não são alcançados, é mais seguro que a família aguarde para iniciar a introdução alimentar. Todos esses sinais devem ser relatados ao nutricionista materno-infantil.

Além disso, o leite materno contém todos os nutrientes que a criança precisa até o sexto mês de vida. É o que diminui o risco de infecções e desenvolvimento de alergias.

O único caso em que o tempo da introdução alimentar deve ser observado de maneira diferenciada é sobre bebês prematuros. Se você tem dúvidas sobre esse tema, leia este artigo onde explico sobre como calcular o tempo da introdução alimentar para prematuros.

Quando o bebê precisa ir à creche, ele pode seguir sendo alimentado pelo leite materno. O leite pode ser extraído e enviado à creche congelado, já na quantidade ideal para cada mamada.

Basta lembrar de identificar o recipiente em que vai ser enviado, para não correr risco de fazer confusão ou mesmo estragar. A conversa com a escola é fundamental nesse momento, mesmo para seguir com a introdução alimentar.

Falei sobre introdução alimentar na creche neste artigo, caso você se interesse pelo tema.

Para compreender cada etapa da introdução alimentar de forma aprofundada e encaminhar essa fase de forma assertiva com o seu bebê, você é meu convidado a conhecer o Curso Bebê Vitaminado.

São 9 módulos de conteúdos exclusivos, em linguagem acessível para as famílias compreenderem. Abordo desde os utensílios a serem usados, frequência e alternância dos alimentos, até como deve ser feita a introdução para bebês vegetarianos.

Para conhecer e se inscrever, clique no link a seguir: Curso Bebê Vitaminado.

Até a próxima!