Introdução alimentar com BLW: como funciona?

A introdução alimentar com BLW, da sigla Baby Led Weaning, traz muitas dúvidas por parte das mamães.

Pelas redes sociais, são diversas mulheres com muitos seguidores mostrando o dia a dia alimentar de seus filhos enquanto aprendem a comer através desse método.

No entanto, você sabe o que é BLW? Será que esse método oferece algum risco ao bebê? Continue esse artigo até o final para saber mais.

Sobre o BLW

Essa técnica consiste em oferecer comida em pedaços, permitindo também que o bebê se sirva sozinho.

A família oferece a comida picada aos bebês, em formas e tamanhos que eles consigam pegar com as mãozinhas e levá-los à boca. Dessa forma, a criança se alimenta do que quiser e na velocidade que preferir e contando com total autonomia.

Como resultado, temos uma alimentação sem pressão por parte dos pais – o que incentiva maior confiança, desperta a curiosidade e, especialmente, torna o momento muito mais delicioso.

Os bebês aprendem fazendo, afinal, são movidos por curiosidade. Assim, explorando e manipulando os alimentos, talvez sintam mais proximidade e interesse em degustá-los.

Entre as principais vantagens deste método, ressalto o incentivo à mastigação – essencial para o desenvolvimento motor da criança – e a autonomia do bebê na descoberta dos novos sabores e discriminação entre frutas e legumes.

Você já imaginou que talvez o bebê não sinta muito prazer em comer os alimentos misturados em uma papinha? E, sobretudo, que comê-los separadamente talvez seja a melhor maneira para conhecê-los?

Já falei sobre a papinha de bebê neste artigo, onde também apresento os motivos de por que não recomendar.

Sem contar que os alimentos inteiros possuem propriedades importantes, como as fibras que auxiliam no bom funcionamento intestinal.

Talvez a alimentação BLW seja a mais apropriada para o ensinamento de comer vagarosamente, combatendo compulsões e até mesmo obesidade infantil.

Sem contar que, talvez, reconhecendo os alimentos e interagindo diretamente com eles, as crianças tenham mais capacidade de desenvolver o hábito de comer de maneira saudável.

Como conduzir o método BLW com segurança?

Para iniciar o método BLW, é preciso que a criança consiga permanecer sentada e com um certo grau de autonomia, mantenha a postura retinha. Essa é uma questão de segurança.

Antes de oferecer os alimentos para que o bebê alimente-se sozinho, é recomendado observar as características chamadas de “fatores de prontidão”, como:

  • O bebê necessita estar sentado em um suporte e ereto na cadeira de alimentação;
  • Coordenação do movimento mão-boca;
  • Interesse por objetos e pegar objetos;
  • Presença de movimentos mastigatórios;
  • Movimento de pinça nos dedos;
  • Interesse pelo prato dos adultos.

A participação do bebê nas refeições em família é um grande benefício desta técnica, trazendo muito mais amor para o momento da alimentação.

É importante ressaltar que muitas mães optam pelo mix de métodos, intercalando alimentos do BLW com amassados na colher. O que também considero bem interessante.

Talvez essa escolha esteja na segurança de estar oferecendo um número maior de nutrientes, e tudo bem! Toda mãe sabe que está fazendo seu melhor para o pequeno.

Outros fatores que merecem ser observados

A criança é a grande protagonista do momento da alimentação. Enquanto prova os alimentos, estabelece um relacionamento com sabores, texturas, cheiros e formas.

Mas, também considero essencial observar outros fatores enquanto conduz a introdução alimentar:

  • A alimentação corre bem?
  • Como está a amamentação?
  • O alimento precisa estar em um formato específico?

Muitos pais sentem receios de que o bebê acostume-se a comer com as mãos e não aprenda a alimentar-se com talheres. Nesse caso, podem intercalar o oferecimento de comida na colher e na mão. E tudo bem, caso prefiram!

Mas, é importante frisar que o bebê está em fase de aprendizado. Assim, caso ele recuse o alimento na colher mas coma com a mão, deixe-o à vontade.

Mantenha o hábito de alimentar-se perto do bebê com talheres, afinal, as crianças aprendem com o exemplo. Nada precisa ser forçado.

A introdução alimentar jamais precisa ser engessada. Em casos de dúvidas, converse com o seu nutricionista materno-infantil.